Desafios do amadurecimento da mulher

Tempo passando. Nunca parou, mas agora parece que ele faz questão de deixar pistas e recados indelicados. A menopausa, um marco memorável na vida da maioria das mulheres, traz consigo uma série de mudanças físicas e emocionais que muitas vezes podem parecer como as rugas que estavam por perto há bastante tempo, mas que agora se tornaram rios profundos em tempos de seca, rasgando o canto dos olhos, as pontas da boca e as ladeiras do nosso pescoço.

Nessa jornada natural do envelhecimento, experimentamos transformações em nosso corpo que, por vezes, podem nos deixar desafiadas e vulneráveis. A pele, que antes era firme e viçosa, agora pode se tornar como papel de seda líquida, se derramando pelos ossos, enquanto os cabelos brancos, com sua rebeldia, pulam arrepiados, querendo e precisando serem vistos.

O trabalho pode se tornar inapetente, e pensamentos sobre a aposentadoria e a passagem do tempo podem surgir com maior frequência. As articulações começam a pedir calma e paciência, e a memória dá sinais de ausência, sendo trabalhada na base das expressões que, de repente, somem da nossa vista, tornando claro que os olhos também precisam de mais amplitude e que apenas os óculos não se bastam a complementar.

Mas esse momento também pode ser encarado como uma oportunidade para olhar adiante, com coragem e determinação. A menopausa e o envelhecimento não significam o fim, mas sim uma nova fase na vida da mulher, repleta de possibilidades e experiências enriquecedoras.

Como geriatra, e agora também parte da estatística avassaladora das mulheres na menopausa, cada dia mais me encanto com as descobertas e encontro com os mistérios destes tempos. Com um olhar atento e cuidadoso, é possível enfrentar as mudanças do nosso corpo e da nossa mente, mantendo a qualidade de vida e o autocuidado em primeiro plano.

E sentindo que tudo fica mais leve se a gente espia com o olhar do bom humor, vamos comentar alguns pontos bem relevantes da nossa grandiosa “dona menopausa”.

É como se fosse o desfile das rugas que agora reconstroem os pontos de repouso do olhar sobre o nosso rosto… Curvas e espaços que marcam os caminhos dos sorrisos e das lágrimas. Face e corpo com memórias não merecem permanecer escondidos ou disfarçados. Orgulhe-se do seu tempo. E esse tempo passa, estamos vivas, e com valentia vamos construindo nossa prontidão para encarar todas essas mudanças de frente, já que para trás fica somente o passado.

Ondas de calor, perda de músculo, aumento de gordura, articulações mais densas e rebeldes ao movimento. Tudo isso de difícil pode encontrar muita paz na atividade física. E a preguiça? Leva ela junto. A preguiça é super fiel e vai te acompanhar. Só que ela não aguenta o ritmo e acaba ficando para trás – então se levanta e vai já caminhar.

A pressa de ser feliz precisa ganhar da preguiça de viver.

46 Responses

  1. Querida Dra Ana🌹. Muito grata por esse texto real e delicado. Estou passando por isso exatamente “agora” e esse texto caiu direitinho no meu colo .
    Por isso continuo te “seguindo”. Beijos

  2. Adoro sinto muito feliz nessa fase de vida, tenho uma história até aqui com os meus 65 anos, vivo a vida nesse momento, aprendendo cada vez mais vivenciar o presente com tudo que o meu corpo e a minha alma tem pra me complementar. Agradeço o universo maravilhoso por tudo que foi o meu passado, pois estou vivendo nesse momento aqui e agora. Grata sempre 🙏

    1. Olá, Donizete! Com certeza é um momento de muitas descobertas e novas vivências, não é? Agradecemos por compartilhar o teu relato por e te desejamos muitas experiências incríveis vivendo o aqui e agora.
      Com carinho, equipe ACQA.

  3. Muito verdadeiro o que a senhora colocou.Sua colocações nos fazem refletirmos e encararmos a velhice.Parabéns!

  4. Que texto belo e verdadeiro. Aos meus 56 anos de idade, descobri que a menopausa me fez refletir a respeito da minha vida. E aprendo a cada dia com minha experiência madura. Ahhh Minha vida. Um colcha de retalhos linda que molda uma linda coberta neste universo, chamada Mulher.
    Abraços

  5. E o tempo passa e estamos vivas !!!! É isso !!!! Com menos filtro e mais sábias !!!!! O momento de planejar o futuro já se foi , agora vivo o momento intensamente!!!

  6. Essa fase me abraça nas noites de insônia, nos choros na hora banho, nas dores nas costas ao cuidar da casa, no rosto envelhecido e abdômen mais largo ao olhar no espelho…
    Essa fase também me acolhe nos momentos de sabedoria, de quietude da alma, de andar mais lento, de olhar e estar mais na natureza, de sentir mais amorosamente a presença da mãe bem idosa…
    Essa fase que as vezes é luz e
    Outra é sombra…
    Essa dona menopausa que está sendo dona de mim…

  7. Excelente texto, verdadeiro e delicado ao retratar esta etapa da vida da mulher. Para mim, a menopausa compara-se à adolescência, fases turbulentas e muito ricas – a primeira pela mente imatura e insegura, e a segunda pelo corpo rebelde e desobediente. Obrigada.

  8. A menopausa nos assusta até conhecermos mulheres guerreiras como Dra Ana Claudia, gratidão por suas palavras, sim acredito que podemos olhar pra dentro de nós e nos reinventar-mos. Com conhecimento de nós mesmas e coragem podemos encarar a menopausa como mais uma etapa em nossa vida, e a escolha do caminho da felicidade é fazer atividade física e buscar ajuda, geriatra não é pra gente velha, é pra quem quer se cuidar. Gratidão mais uma vez Dra Ana Claudia .

    1. Agradecemos todo o carinho, Zuene! E concordamos muito com o que você disse: geriatra não é apenas para ”gente velha” e sim para todos que querem viver com mais saúde e bem-estar!
      Um abraço,
      Equipe ACQA.

  9. Excelente reflexão!
    Essa fase é desafiadora, cheia de transformações no nível físico, espiritual e emocional.
    O autoconhecimento é o primeiro passo pra enfrentarmos essa fase de forma menos pesada.

  10. Ótimo e necessário esse assunto. Estou nessa fase e me dei conta que preciso investir em mim mesma. P ter autonomia na velhice.

    1. Investir em si mesmo é uma ação importantíssima de autocuidado, Vilma! Que você consiga fazer isso e ter ainda mais bem-estar e qualidade de vida durante a velhice.
      Com carinho,
      Equipe ACQA.

  11. Estou com 55 anos e seis na menopausa.
    Os calorões não querem me deixar, insônia, um estado depressivo. Encontrei alívio pra tudo isso com corridas de rua, além do alívio dos sintomas, encontro paz e alegria para viver melhor e feliz.

  12. Obrigada doutora!
    Li como se fosse uma poesia, tudo fez sentido nos meus 54 anos, a mente tenta me iludir me fazendo parecer mais jovem, mas tenho tido o vislumbre da realidade e ela não é tão assustadora qdo acolhida e vivida.

  13. Que linda reflexão Dra. Ana Claudia…
    A quimioterapia me trouxe a menopausa precocemente e com ela vieram os desafios do amadurecimento do corpo… Mas a menopausa precoce também me trouxe a gratidão pela vida e a felicidade de viver!!!! Me reconheci no seu lindo texto…🙌🏻

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *